domingo, 20 de maio de 2018

Cape Town - Day 4

Último dia inteiro em Cape Town, saímos cedo para a Table Mountain. Você pode subir a pé (mais de 1000m de altitutde) ou de bondinho, comprando o one-way ou return ticket. Como precisávamos economizar nossas energias para o restante do dia, compramos o return. MELHOR ESCOLHA! Não se iluda querendo economizar alguns Rand, pois você vai andar muito lá em cima. O lugar é gigantesco, e há várias opções de caminhadas. Nós fizemos a mais curta por causa do calor. Havia lido que lá em cima é mais frio mesmo no verão e que venta muito, mas sofremos com uns 35ºC. 

Base de onde sai o bonde

Nosso bondinho chegando


O mais legal do bondinho é que ele tem chão giratório e uma parte sem vidros, o que dá um friozinho na barriga e rende uns gritinhos das crianças rs. Há uma funcionária que vai narrando fatos da construção e curiosidades da Table Mountain, além de dar dicas de segurança.






Dassie 
 Esse bichinho simpático - e que rendeu muitas fotos e vídeos - é o dassie, ou damão-do-cabo, um tipo de roedor que existe somente na África. É muito comum nas montanhas rochosas da África do Sul. Não foi por acaso que avistamos esse fofinho lá. 



Voltandoo...



Após descer a Table Mountain, estava na hora do almoço. Pegamos Uber e fomos ao Kirstenbosch gardens, o jardim botânico de Cape Town. Fizemos uma refeição deliciosa e na sombra agradável do Kirstenbosch Tea Room.   E então passeamos por diferentes jardins, como um medicinal e um de fragrâncias.







O imponente baobá

Nossa próxima parada foi a vinícola Constantia groot. Melhor maneira de terminar o dia. E quase perdemos a última visita, que começaria às 16:00. Chegamos lá 15:50. A visita guiada em si não é tão interessante quanto a que fiz em Concha y toro, mas os vinhos que degustamos... Ah, esses foram os melhores que já provei. Nota 10 para o Pinotage sul-africano. Cheers!










Cape Town - Day 3


Dia lindo, tomamos um super café da manhã, pedimos um Uber para ir ao Cabo da Boa Esperança. Uma dica: não façam isso. Na hora de chegar lá, a entrada do motorista também é cobrada (R$ 41,00), e tivemos que pagar para ele. A viagem acabou saindo tão cara quanto se contratássemos empresa de turismo. 

Café do hostel




Entrada do Cabo da Boa Esperança

Já dentro do portão









Não fomos ao outro lado (o lugar é enorme) porque estávamos bem cansadas e ainda faltava a parte 2 dos passeios do dia. Então, para aproveitarmos que o motorista teve que ficar esperando a gente dentro do "parque", fechamos um valor fixo com ele para nos levar também a Boulder's beach. Foi um dia maravilhoso. E quente, muito quente!

Antes de chegar na praia, barraquinhas vendendo lembranças
                                      
Dá para ver os pinguins ao longe na parte grátis da praia, onde as pessoas ficam tomando sol, e há a parte paga, onde está o santuário dos pinguins que você pode ver mais de perto e concentra o maior número deles.









Depois desses passeios, voltamos à Cape Town e fechamos o dia com um jantar no tradicional restaurante Karibu, localizado no Victoria & Alfred Waterfront. 




Cheers!












sábado, 21 de abril de 2018

Cape Town - Day 2

Quero agradecer a todos que leem meus posts e me incentivam a continuar a escrever. Sei que tenho sido preguiçosa, mas prometo que vou melhorar a frequência aqui. <3


Primeira manhã em Cape Town, começamos com esse café da manhã. Mal imaginávamos que nas duas semanas que ficaríamos na África do Sul comeríamos variações desse mesmo cardápio hahaha.


Após o café da manhã, resolvemos ir a pé à Greenmarket Square e iniciar nossa walking tour. Logo no início do percurso essa vista linda, mas algumas quadras mais tarde encontramos uma senhora muito simpática que nos aconselhou a não andar a pé naquele bairro (estávamos hospedadas em Woodstock), pois era perigoso. No pouco tempo de conversa ela nos contou que uma vez hospedou um brasileiro em sua casa e ele roubou dinheiro dela. Muito triste saber disso. Resolvemos seguir seu conselho e pegamos um Uber. 



No caminho eis que vejo um sinal do universo me indicando o que devo fazer na vida profissional hahaha.


Chegamos à Greenmarket Square e, como ainda faltava um tempo para nossa walking tour começar, compramos umas lembranças nas barracas. Não recomendo comprar lá! Os vendedores te perseguem e mandam você escolher quanto pagar a partir de um valor que eles sugerem (bem acima do devido) e como o Rand não vale quase nada, não nos damos conta que acabamos pagando bem mais pelas mesmas coisas que podem ser encontradas em lojas de souvenirs sem o assédio dos vendedores.




Nós na praça antes do passeio
Andamos um bocado até chegar à prefeitura - Cape Town City Hall - lugar histórico onde Nelson Mandela fez seu primeiro discurso no dia 11 de fevereiro de 1990, horas após sua libertação. 


Cape Town City Hall

Atravessando a praça onde fica a prefeitura, chegamos ao Castle of Good Hope, um forte construído pelos holandeses no século XVII como estação de abastecimento de seus navios durante as viagens entre Holanda e as Índias Orientais (atual Indonésia). Foi também utilizado como prisão durante a segunda guerra Boer, sede das forças armadas sul-africanas, e atualmente abriga o museu militar.

Castle of Good Hope

 Continuando nossa caminhada, passamos pelo Parlamento, onde Nelson Mandela fez seu discurso de 100 dias de governo.

Parliament

 A construção abaixo é um museu sobre a história da escravidão na África do Sul. Não entramos lá, mas visitamos outros nas próximas cidades.


Slave Lodge
 Logo chegamos ao The Company's garden, com a estátua de Cecil John Rhodes ao fundo, que foi primeiro ministro de Cape Town. O jardim foi criado em 1650 para abastecer os navios com verduras e frutas frescas, pois seu solo era muito fértil. Hoje é um parque e patrimônio da humanidade. 

The Company's garden

Sundial


Nosso guia abaixo falando sobre este pedaço do muro de Berlim, doado em 1994 quando Nelson Mandela se tornou presidente.

Berlin Wall

Voltamos à Greenmarket Square e paramos para o almoço até nosso próximo tour: The Bo-Kaap. No caminho encontramos uma mensagem muito importante no vidro de um restaurante. Não vou traduzir. hahahaha


Almoçamos e nos 35ºC do sol de 14:00 iniciamos nossa segunda parte da Walking tour.
Abaixo está a primeira mesquita construída no país, em 1794. 

Auwal Mosque

O bairro Bo-Kaap foi habitado inicialmente por escravos trazidos pelos holandeses. Logo depois, os malaios muçulmanos chegaram ao bairro e impuseram sua cultura e religião.
Durante os anos do apartheid, o bairro era considerado uma favela e é aqui que está guardado o significado das casas coloridas. Depois do apartheid, os moradores decidiram colorir as fachadas de suas casas para simbolizar a diversidade racial. Mais informações sobre o bairro aqui.
Bo-Kaap


 Voltamos ao hostel para descansar, e então mais duas companheiras de viagem chegaram: Margarete e Michelline. Aproveitamos o final de tarde para irmos até Camps Bay, uma das praias mais badaladas de Cape Town e onde tivemos uma das vistas mais lindas. 


Adri papeando com o Uber

Chegando...


Enfim, mulherada reunida! Formamos a Casa das Sete Mulheres hahahaha.


(da esquerda para a direita) Margarete, Adriana, Letícia, eu, Larissa, Michelline e Juliana. As montanhas Twelve Apostles ao fundo.  


Panorâmica de Camps Bay


Praia de águas congelantes rs


Minha irmã Lari e eu


Maravilha de Deus

Brazil!

Hard Rock Cafe Cape Town
Finalizamos o dia no restaurante Ocean Basket, e vimos um pôr do sol lindo na praia. Inesquecível. 


Sunset at Camps Bay